30.6 C
Farol
sábado, setembro 25, 2021
spot_img

Brasil registra novo recorde de mortes pela covid: 2.841

O país está batendo recordes de mortes por covid-19 há 21 dias consecutivos. Esse número assustador coincide com o primeiro dia do médico Marcelo Queiroga como ministro da Saúde

O Brasil voltou a bater recorde no número de mortes pela covid-19. Segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), 2.841 vidas foram perdidas nas últimas 24 horas. O país está batendo recordes de mortes há 21 dias consecutivos. Esse número assustador coincide com o primeiro dia do médico Marcelo Queiroga como ministro da Saúde.

No meio da tarde, o Conass havia informado que o total de óbitos havia sido de 2.340, mas esse dado não contabilizava as informações do Rio Grande do Sul, que computou 502 mortes — o maior em um único dia no estado desde o início da pandemia.

No entender de especialistas, o quadro ainda vai piorar muito, sobretudo por causa do atraso no processo de vacinação. Em seu primeiro pronunciamento como ministro, nesta terça-feira (16/03), ele defendeu a ciência como aliada para combater “essa doença miserável” e pediu à população que use máscaras e lave as mãos para se evitar medidas mais duras, que levem ao fechamento da economia.

Com esse novo recorde, o Brasil se mantém como o país onde mais se registra mortes diárias pela covid-19 no mundo. Pelas projeções do Ministério da Saúde, é possível que, nos próximos dias, o país registre mais de 3 mil óbitos por dia. O mais assustador, dizem os especialistas, é que está aumentando muito o número de mortes nas filas de espera dos hospitais. Está faltando leitos em unidades de tratamento intensivo (UTIs) e profissionais capacitados para o atendimento.

A boa notícia, ainda que tarde, veio da presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade. Ela informou, durante videoconferência com representantes da Câmara dos Deputados, que o cronograma de entrega de vacinas pela fundação ao Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, prevê 3,8 milhões de doses de imunizantes da Oxford/AstraZeneca em março, cerca de 21 milhões em abril, 26,8 milhões em maio, 27,4 milhões em junho e 21,2 milhões em julho.

Fonte: Correio Braziliense

Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Permaneça conectado

24FãsCurtir
110SeguidoresSeguir
406SeguidoresSeguir
- Advertisement -spot_img

Últimas notícias