17 de julho de 2018
PUBLICIDADE
Chiquinho
Chiquinho

Definida a programação oficial da ExpoRancho 2018

PUBLICADO DIA: 14/02/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

 

 

Os 26 anos estão chegando e Rancho Alegre D`Oeste vai comemorar em grande estilo.
A prefeita Suely Alves Pereira Silva, anunciou no início da noite de quarta,14, a programação oficial e a data que ficou definida a festa.

De 16 a 18 de março tem ExpoRancho e completa com a volta do rodeio.

A Programação

 Dia 16- Abertura do rodeio, e show com a banda Brasil 2000
 Dia 17- Sequência do rodeio, e shows com Léo e Giba e Rodrigo Cezar & Rafael
 Dia 18 – As 11 horas o tradicional almoço do prato Típico “Tilápia no Tacho” e  as 20 horas
Final do Rodeio e show nacional com Carreiro e Capataz
Todas as noites exposição, parque de diversão e praça de alimentação.
Realização: Prefeitura de Rancho alegre D`Oeste.
Apoio: Câmara de Vereadores, Copel, Sanepar, Governo do estado, Itaipu Binacional e Copacol

Marketing – Agencia Lenilson Munhoz

Campanha da Fraternidade de 2018 discute formas de superação da violência

PUBLICADO DIA: 14/02/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

A Campanha da Fraternidade será lançada na quarta-feira (14) em todo o país. Neste ano, o tema será “Fraternidade e superação da violência”.
Coordenada pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e realizada no período da Quaresma, a Campanha da Fraternidade envolve todas as comunidades cristãs católicas do Brasil. “Deseja-se refletir a realidade da violência, rezar por todos os que sofrem violência e unir as forças da comunidade para superá-la. Pretende-se, ainda, lançar um olhar para os impasses que, há décadas, dominam as políticas públicas de segurança”, informa a CNBB.
Nos cinco primeiros meses de 2017, somente em três semanas, foram assassinadas no Brasil mais pessoas do que o total de mortos em todos os ataques terroristas no mundo, os quais envolveram 498 casos, resultando em 3.314 vítimas. Os dados são do Atlas da Violência 2017, produzido pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).
“Ninguém nasce violento. Contudo, a pessoa pode vir a ser violenta. O comportamento violento pode ser aprendido na família e reaplicado socialmente nas relações ao longo da vida”, completa a CNBB.

Feirão Casa & Cia vai movimentar o final de semana em Goioerê

PUBLICADO DIA: 13/02/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Feirão Casa & Cia vai movimentar o final de semana em Goioerê no pátio da Mercantil Beleski.

Estarão participando além da Beleski no ramo de materiais de construção e acabamentos:

  • Maycar Veículos
  • Damicar Veículos
  • Kazama Multimarcas
  • Cowboy Veículos
  • Visãonet (planos e tv)
  • Clube do Fusca e Antigos (exposição)
  • Food Truck (durante o feirão e a noite)

A equipe da Sicredi estará presente para simular e já fazer o financiamento na hora com valores de parcelas que se encaixarem no seu orçamento.

Horários do Feirão:

Sábado dia 17 – das 09 as 17 horas

Domingo dia 18 – das 09 as 13 horas

Inclusão de pessoas em grupos de WhatsApp pode virar caso de Justiça

PUBLICADO DIA: 12/02/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Você alguma vez já se sentiu constrangido ao ser incluído em um grupo de WhatsApp, sem consentimento prévio? Já saiu de comunidades online e na sequência foi adicionado novamente sem que quisesse? Pois é, em breve, esse tipo de atitude pode ser proibida pela legislação brasileira.
Na última semana, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal aprovou um projeto de lei que torna infração passível de multa a inclusão de pessoas, sem consulta, em grupos virtuais de redes como o Facebook e o WhatsApp, por exemplo.


De autoria da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), a proposta pretende alterar o Marco Civil da Internet para “exigir o prévio consentimento do usuário nos processos de cadastramento e envio de convites para participação em redes e mídias sociais”.
“Hoje, todos nós cidadãos, estamos sujeitos a sermos incluídos em qualquer grupo de rede social. Em qualquer grupo, WhatsApp, Facebook, todos. E se nós não tivermos o interesse de participar de determinado grupo, nós é que temos de nos manifestar, o individuo. Ou seja, uma inversão da lógica de toda a legislação brasileira”.
De acordo com o projeto, caberá à rede social ou ao aplicativo realizar, em seu banco de dados, o armazenamento do consentimento dado pelos usuários ao serem incluídos em comunidades. Caso não tenha existido autorização prévia, o provedor terá a obrigação de reparar os danos decorrentes do uso indevido dos dados do internauta.
Nas ruas, a proposta é vista com bons olhos por alguns, mas é rejeitada por outros. A funcionária pública Cristiane Silva, de 52 anos, disse que é constrangedor ver o parlamento discutir tal assunto enquanto outros de maior relevância, segundo ela, são deixados de lado. Para Cristiane, a solução é simples. Não quer participar de um grupo, saia.

“É o seguinte, eu acho que não deve ser punido porque as pessoas te colocam, mas é muito fácil você sair de um grupo, você pega e sai do grupo. Eu acho que não tem nada a ver”.
A cabeleireira Sara Jaqueline, de 32 anos, discorda. Ela conta que já foi incluída em grupos do qual não queria fazer parte e confessou ter sido uma experiência desagradável e embaraçosa.
“Sou a favor, isso é incomodo. Às vezes você está ocupada de madrugada e as pessoas te adicionam em um grupo que não tem nada a ver, entendeu? Aí povo manda vídeo pornográfico, uma coisa que não tem nada a ver, que foge do tema”.
A proposta que passou pela CCJ com duas emendas do relator, senador Romero Jucá (PMDB-RR), foi encaminhada para a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Lá, se for aprovada, pode ser enviada ao plenário, para outra comissão ou diretamente para a sanção presidencial.
Fonte: Agência do Rádio

Em decisão unânime, tribunal condena Lula em segunda instância

PUBLICADO DIA: 24/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Recurso contra condenação pelo juiz Sérgio Moro foi rejeitado pelos três desembargadores da 8ª Turma do TRF-4. Esgotadas as possibilidades de recurso no tribunal, Lula poderá ser preso.

________________________________________
Por unanimidade, os três desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) votaram nesta quarta-feira (24) em favor de manter a condenação e ampliar a pena de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP).

Votaram no julgamento, que durou 8 horas e 15 minutos (além de uma hora de intervalo) o relator do processo, João Pedro Gebran Neto, o revisor, Leandro Paulsen e o desembargador Victor dos Santos Laus.

 


Em julgamento na sede do tribunal, em Porto Alegre, os desembargadores se manifestaram em relação ao recurso apresentado pela defesa de Lula contra a condenação a 9 anos e 6 meses de prisãodeterminada pelo juiz federal Sérgio Moro, relator da Operação Lava Jato na primeira instância, em Curitiba. Lula se diz inocente.
Os três desembargadores decidiram ampliar a pena para 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado. O cumprimento da pena se inicia após o esgotamento de recursos que sejam possíveis no âmbito do próprio TRF-4.
RESUMO
• Os três ministros da 8ª Turma do TRE-4 votaram por manter a condenação e ampliar a pena de prisão de Lula em relação à sentença do juiz federal Sérgio Moro.
• Desembargadores consideraram em seus votos que: 1) Lula recebeu propina da empreiteira OAS na forma de um apartamento triplex no Guarujá; 2) a propina foi oriunda de um esquema de corrupção na Petrobras; 3) o dinheiro saiu de uma conta da OAS que abastecia o PT em troca de favorecimento da empresa em contratos na Petrobras; 4)embora não tenha havido transferência formal para Lula, o imóvel foi reservado para ele, o que configura tentativa de ocultar o patrimônio (lavagem de dinheiro); 5) embora possa não ter havido “ato de ofício”, na forma de contrapartida à empresa, somente a aceitação da promessa de receber vantagem indevida mediante o poder de conceder o benefício à empreiteira já configura corrupção; 6) os fatos investigados na Operação Lava Jato revelam práticas de compra de apoio político de partidos idênticas às do escândalo do mensalão; 7) o juiz Sérgio Moro – cuja imparcialidade é contestada pela defesa – era apto para julgar o caso.
• A defesa do ex-presidente nega as acusações: 1) diz que ele não é dono do apartamento; 2) que não há provas de que dinheiro obtido pela OAS em contratos com a Petrobras foi usado no apartamento; 3)que, de acordo com essa tese, Moro, responsável pela Lava Jato, não poderia ter julgado o caso; 4) que o juiz agiu de forma parcial; 5) que Lula é alvo de perseguição política.
• Confirmado o resultado do julgamento após o voto do terceiro desembargador e a proclamação do resultado, 1) Lula não será preso de imediato; eventual prisão só depois de esgotados os recursos ao tribunal; 2) Defesa pode recorrer ao STJ e ao STF para tentar reverter condenação; 3) PT poderá registrar candidatura de Lula a presidente; 4) candidatura poderá ser mantida enquanto houver recursos pendentes contra a condenação; 5) TSE é que decidirá se ele ficará inelegível.

Lula foi acusado pelo Ministério Público de receber propina da empreiteira OAS. A suposta vantagem, no valor de R$ 2,2 milhões, teria saído de uma conta de propina destinada ao PT em troca do favorecimento da empresa em contratos na Petrobras.
Segundo o MP, a vantagem foi paga na forma de reserva e reforma do apartamento no litoral paulista, cuja propriedade teria sido ocultada das autoridades. Um dos depoimentos que baseou a acusação do Ministério Público e a sentença de Moro é o do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, também condenado no processo.
Além de Lula, também foram julgados Léo Pinheiro (presidente afastado da OAS); Paulo Okamotto (presidente do Instituto Lula); Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Paulo Roberto Gordilho, Fabio Hori Yonamine, Roberto Moreira Ferreira (diretores da OAS).
AS PENAS APLICADAS PELO TRF-4
RÉU PENA DE PRISÃO
Luiz Inácio Lula da Silva 12 anos e 1 mês
Léo Pinheiro 3 anos e 6 meses
Agenor Medeiros 1 ano e 10 meses
Paulo Okamotto Absolvido
Paulo Roberto Gordilho Absolvido
Fabio Hori Yonamine Absolvido
Roberto Moreira Ferreira Absolvido
Fonte: Tribunal Regional Federal da 4ª Região
A condenação pelo TRF-4, tribunal de segunda instância, confirma sentença proferida em julho do ano passado por Moro na primeira instância.
Lula não será preso de imediato. Antes mesmo do julgamento, o TRF-4 já havia anunciado que só haverá prisão depois de se esgotarem todas as possibilidades de recurso no tribunal.
A decisão dificulta, mas não impede, a candidatura de Lula à Presidência na eleição deste ano. Mas o registro da candidatura dependerá de uma manifestação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Após a abertura da sessão pelo desembargador Leandro Paulsen, o julgamento começou pela leitura de um resumo dos argumentos da acusação e da defesa pelo desembargador João Pedro Gebran Neto.

Acusação
Em seguida, falando pela acusação, o procurador regional da República Maurício Gerum, reconstituiu o caso e relatou as provas apresentadas pelo Ministério Público Federal e que, segundo ele, a defesa não conseguiu contestar.
“Lamentavelmente, Lula se corrompeu”, concluiu Gerum.
O procurador começou sua fala atacando a “tropa de choque” mobilizada para pressionar o Judiciário pela absolvição de Lula. “A truculência dessa tropa de choque no processo judicial está muito próxima de configurar o crime de coação no processo”, afirmou.
Depois, Gerum defendeu a independência dos magistrados para decidir o caso, rebatendo que seja um “julgamento político”, o que seria “ignorância histórica” e “desrespeito”. “Se esta Corte absolver o ex-presidente Lula, a justiça será feita. Se esta corte decidir manter a condenação do ex-presidente Lula, a justiça também será feita”, completou o procurador.
Ao falar sobre a acusação, Gerum narrou como o ex-presidente e a ex-primeira-dama Marisa Letícia optaram pela compra do apartamento ainda em 2005, quando o prédio era construído pela Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop). Destacou em seguida o repasse do imóvel à OAS e as reformas feitas a partir de 2014 para Lula.
“Não há dúvida probatória. Inúmeras notas fiscais, depoimentos e mensagens entre executivos, de que o imóvel estava sendo preparado para o ex-presidente”, disse. Depois, afirmou que não era possível que Lula desconhecesse o pagamento de propina na Petrobras.
“Muito difícil de acreditar que esse imenso sistema de drenagem dos cofres da Petrobras pudesse passar ao largo de qualquer presidente da República. Quando pensamos no presidente Lula, com sua inteligência, perspicácia e experiência política, a dificuldade fica muito maior. Mas nós não precisamos ficar na suposição de que ele sabia. Além de ele mesmo afirmar em seu interrogatório que a palavra final de indicação de diretores da Petrobras era da Presidência, sua participação nos assuntos da maior estatal brasileira era evidente e transparece em áudios e diversos depoimentos”, declarou.

Gerun dividiu o tempo de 30 minutos com o assistente da acusação René Ariel Dotti, contratado pela Petrobras. Dotti falou por dez minutos. Ele disse que a estatal sofreu um “atentado” contra seu patrimônio.
“Esse processo revela duas ilhas de um grande arquipélago de ilicitudes. A corrupção e a lavagem, neste caso notório, estão atreladas à cadeia de provas que é irresistível à mais simples das lógicas. A Petrobras acompanha as razões do recurso apresentado pelo MP e lamenta que, por mais de uma vez, a maior indústria petrolífera do Brasil, uma das maiores do mundo, sofre atentado gravíssimo contra o patrimônio”, afirmou.
Ele disse esperar que o “produto obtido pelo crime” reverta em favor da Petrobras, “uma espécie de justiça restaurativa”. Também reivindicou a fixação de um valor mínimo para reparação dos danos.

Defesa
Dois advogados de defesa se manifestaram após a acusação – Fernando Fernandes, representante de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, e Cristiano Zanin, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
O primeiro a falar foi Fernandes. Paulo Okamotto foi absolvido pelo juiz Sérgio Moro, mas a defesa recorreu para pedir a troca dos fundamentos da sentença. Moro absolveu Okamotto por falta de provas, mas a defesa quer a declaração de inocência.
Paulo Okamotto foi o responsável por obter os recursos para transportar para o instituto o acervo de presentes e doações que Lula recebeu enquanto exerceu o mandato de presidente da República. A acusação do Ministério Público é que a OAS tenha feito o pagamento.
“Não há nenhum valor da OAS em relação ao acervo que tenha sido entregue para pagar a Granero [transportadora] e não tenha sido contabilizado ao instituto, ao Paulo Okamotto ou ao ex-presidente Lula. o valor foi pago diretamente à Granero. Essa atuação desmedida do Ministério Público é o indício das falhas neste processo. Detalhar as provas é fundamental”, afirmou Fernandes, que se referiu a um testemunho do antecessor de Lula, Fernando Henrique Cardoso, para apontar “todas as dificuldades que um ex-presidente da República tem para manter e custear um acervo presidencial”.
Em defesa de Lula, o advogado Cristiano Zanin Martins começou criticando o Ministério Público, por “censura à defesa, à academia e ao povo”, em razão das críticas feitas anteriormente pelo procurador Maurício Gerum.
“Se vossa excelência ficou impressionado com artigos, manifestações de juristas nacionais e internacionais é porque algo de errado existe neste processo”, afirmou Zanin.
Depois, apontou nulidade do processo alegando que não poderia ter sido encaminhado para o juiz Sérgio Moro, pela falta de conexão do caso com a Lava Jato.
Ele citou decisão na qual Moro diz que o dinheiro obtido pela OAS nos contratos na Petrobras não financiou a reserva e a reforma do apartamento. O advogado ainda questionou a imparcialidade do juiz.
“Não se pode deixar de analisar todos os graves fatos que foram praticados pelo juiz de 1º grau ao longo das investigações, ao longo da ação, inclusive atos com claros objetivos de gerar fatos políticos. A divulgação de conversas telefônicas entre o ex-presidente Lula e a então presidente Dilma, o que foi aquilo? Um ato político, praticado por um juiz”, disse.
Em relação à acusação, Zanin rebateu a tese da corrupção, alegando não haver provas de que o dinheiro obtido pela OAS em três contratos com a Petrobras foi usado no apartamento. Para ele, Moro fez uma “completa distorção quanto à origem da suposta vantagem indevida”.
Quanto ao triplex, a defesa de Lula reafirmou que o imóvel nunca esteve em nome do ex-presidente. “O triplex não é do ex-presidente Lula. Todos sabemos que o triplex pertence e sempre pertenceu à OAS”, afirmou o advogado.

Voto do relator, desembargador Gebran Neto
Relator do processo, o desembargador João Pedro Gebran Neto votou pelo aumento da pena imposta a Lula, anteriormente fixada por Moro em 9 anos e 6 meses de prisão, para 12 anos e 1 mês, com início em regime fechado.
Em um voto de três horas e meia, apontou “culpabilidade extremamente elevada” pelo fato de o petista ter ocupado a Presidência da República e de , segundo afirmou, ter ocupado posição de comando no esquema. Os desvios, justificou, não apenas prejudicaram a Petrobras, mas também deturparam o processo político.
“A eleição de um mandatário, em particular de um presidente da República, traz consigo a esperança à população de um melhor projeto de vida. Críticas merecem, portanto, todos aqueles que praticam atos destinados a trair ideais republicanos, sem descuidar, por óbvio, que a corrupção aqui tratada está inserida em um contexto muito mais amplo e, assim, de efeitos perversos e difusos”, afirmou.
Gebran Neto começou o voto negando pedidos da defesa para anular a sentença por falta de competência de Moro. Ele apontou outras decisões do TRF-4 que mantiveram o caso com o juiz em razão de conexão com a Lava Jato.
O magistrado também descartou suposta parcialidade do juiz e justificou a condução coercitiva de Lula determinada por Moro e as quebras de sigilo telefônico com advogados.
“Houve a participação de advogados e representantes para garantia de defesa no ato, além de cautelas do magistrado para que o ato fosse o menos espetaculoso possível”, afirmou.
Após rejeitar todos os pedidos para anular o processo, o desembargador contestou a tese de Lula de que não haveria uma contrapartida dele, como presidente da República, à OAS.
Gebran Neto lembrou que não é preciso a formalização um ato de ofício, mas só a aceitação da promessa de receber vantagem e o poder para favorecer a empreiteira na Petrobras.
“Não se exige a demonstração da participação ativa de Luiz Inácio Lula da Silva em cada um dos contratos porque em verdade era o garantidor do esquema maior que tinha por finalidade incrementar de modo subreptício o financiamento de partidos, pelo que agia nos bastidores para nomeação e manutenção de agentes públicos em cargos-chave para a organização criminosa”, disse.
O desembargador também apontou o “estreito vínculo” entre Lula e o presidente da OAS, Léo Pinheiro, após enumerar obras em que a empreiteira foi favorecida na Petrobras.
“Há prova acima de razoável de que o ex-presidente foi um dos articuladores, se não o principal, do amplo esquema de corrupção. As provas aqui colhidas levam à conclusão de que no mínimo tinha ciência e dava suporte aquilo que ocorria no seio da Petrobras.”
Em relação ao triplex, Gebran Neto reconheceu que não houve transferência formal do imóvel para Lula, mas citou depoimentos de que ele sempre esteve reservado para o ex-presidente, sobretudo em razão de reformas personalizadas para ele e Marisa Letícia.
“É como se o apartamento tivesse sido colocado em nome de um laranja. Nesse caso, a ausência de transferência, transforma em determinado momento — na medida que podia ter sido transferido e não o foi, a pedido — a OAS como mera laranja do verdadeiro titular dessa unidade”, afirmou.
Por isso, o fato de o imóvel permanecer como propriedade da OAS, mas para uso de Lula, comprovaria a tentativa de ocultar a vantagem indevida, configurando o crime de lavagem de dinheiro.
Nas conclusões do voto, Gebran Neto chamou Lula de “avalista” e “comandante” do esquema de corrupção na Petrobras.
“Havia inequívoca ciência do réu com relação aos malfeitos havidos na estatal. Ademais disso, dele dependia a continuidade e eficácia do esquema milionário e financiamento das campanhas eleitorais, de maneira que sua capacidade de decisão e conhecimento dos efeitos e abrangência do esquema espúrio mostrou-se fundamental”, disse.

Voto do desembargador Leandro Paulsen
Revisor do processo, o desembargador Leandro Paulsen foi o segundo a votar, durante uma hora e meia, também pela condenação de Lula. Paulsen repetiu as penas estipuladas por Gebran Neto: “Adiro ao voto do relator também no que diz respeito à dosimetria da pena”, disse.
No início, afirmou que o processo não tratava “de pequenos desvios de conduta”, mas “ilícitos penais gravíssimos contra a administração pública e contra a paz pública, com prejuízos bilionários aos cofres públicos”.
“Estamos tratando da revelação de criminalidade organizada envolvendo a própria estrutura do Estado brasileiro”.
Assim como Gebran Neto, Paulsen também destacou, como “elemento relevantíssimo”, o fato de os crimes terem sido cometidos por um presidente da República.
“Luiz Inácio acabou por ser beneficiário pessoal e direto da propina que estava à disposição do PT, por quanto parte dela foi utilizada no triplex”, afirmou.
Segundo o desembargador, “a eleição e assunção ao cargo não põem o eleito acima do bem e do mal, não lhe permitem buscar fins nem agir por meios que não sejam os legais”.
“Relativamente à autoria e à culpabilidade de Luiz Inácio Lula da Silva, o vínculo de causalidade de sua conduta e os crimes praticados é inequívoco. Luiz Inácio agiu pessoalmente para tanto, bancando quedas-de-braço com o conselho da Petrobras na condição de presidente da República.”
Paulsen também rejeitou questionamentos da defesa contra a atuação de Moro no processo, lembrando de decisões do próprio TRF-4 que confirmaram seus atos durante a investigação.
O desembargador também manteve a absolvição de Paulo Okamotto, por não ver irregularidade no armazenamento, pela OAS, de parte dos presentes que Lula ganhou no Planalto.
O revisor ainda citou entendimento do STF no julgamento do mensalão, no qual dirigentes do PT foram condenados pela compra de apoio político no Congresso em favor do governo Lula.
Voto do desembargador Victor Laus
Terceiro e último a votar, o desembargador Victor dos Santos Laus também acompanhou na íntegra o voto dos outros desembargadores.
Em 1 hora e 10 minutos, ele iniciou elogiando a Operação Lava Jato pela qualidade dos investigadores, advogados e juízes que atuam no caso. Ele também reforçou afirmação de seus pares que o julgamento se dava sobre fatos, não pessoas.
“A nós interessa o fato, aquilo que de concreto aconteceu. Pessoas se viram envolvidas. Mas repito: não julgamos pessoas. O fato de ser cometido por alguém é do mundo das coisas”, afirmou. Ele reconheceu, contudo, a complexidade do caso por envolver um presidente.
“Evidentemente que, de sua excelência, era esperada uma atitude absolutamente diferente. Ou seja, ciente dos fatos que aconteciam em seu entorno, deveria ter tomado providência, nós sabemos, e assim não o fez e ficou em silêncio. Para além disso, como demonstrou a situação da unidade habitacional, auferiu proveito dessa situação. Ou seja, são fatos lamentáveis, fatos que deslustram a biografia de sua excelência, mas que são fatos concretos, que ocorreram.”
No meio do voto, Laus também rejeitou as contestações que a defesa de Lula apresentou ao longo do processo – como o impedimento de Sergio Moro – reforçando que todas já haviam sido analisadas pelo TRF-4 antes do caso chegar ao tribunal.
Sobre o tríplex, o desembargador disse ter considerado todos os depoimentos tomados no processo, inclusive de quem colaborou com o caso, como os executivos da OAS Léo Pinheiro e Agenor Franklin Martins. A defesa alega que eles mentiram para obter benefícios.
“O tão só fato de cidadão acusado querer colaborar não desqualifica sua fala, porque há de merecer consideração desde que em harmonia com outros elementos do processo”, disse, lembrando que os executivos ainda não tiveram acordos de delação premiada homologados.

Fonte G1

Região terá R$ 240 milhões de ICMS em 2018

PUBLICADO DIA: 24/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Juntos, os 25 municípios da região deverão receber este ano cerca de R$ 240 milhões de ICMS.
Campo Mourão, Ubiratã e Mamborê receberão mais.
Já Altamira do Paraná, Corumbataí do Sul e Farol terão as menores fatias.
Em todo o Estado serão R$ 6,6 bilhões, valor 1,37% menor que 2017.
Curitiba (R$ 694,2 milhões), Araucária (R$ 458,3 milhões) e São José dos Pinhais (R$ 305 milhões) lideram a lista.

Ranking do ICMS na região
1) Campo Mourão: R$ 35.152.552
2) Ubiratã: R$ 23.482.844
3) Mamborê: R$ 16.303.502
4) Goioerê: R$ 13.975.898
5) Luiziana: R$ 12.336.091
6) Araruna: R$ 11.789.189
7) Terra Boa: R$ 11.352.559
8) Campina da Lagoa: R$ 10.571.115
9) Roncador: R$ 10.289.828
10) Engenheiro Beltrão: R$ 8.444.677
11) Juranda: R$ 8.142.140
12) Peabiru: R$ 7.992.432
13) Barbosa Ferraz: R$ 7.898.532
14) Quarto Centenário: R$ 7.723.302
15) Moreira Sales: R$ 7.489.955
16) Nova Cantu: R$ 7.205.915
17) Boa Esperança: R$ 6.430.131
18) Fênix: R$ 6.107.953
19) Iretama: R$ 5.951.490
20) Quinta do Sol: R$ 5.378.342
21) Rancho Alegre do Oeste: R$ 5.038.581
22) Janiópolis: R$ 4.900.405
23) Farol: R$ 4.499.161
24) Corumbataí do Sul: R$ 3.169.721
25) Altamira do Paraná: R$ 3.095.525

*Previsão para 2018

(Bocasanta)

Caminhonete com contrabando de cigarros é apreendida após perseguição

PUBLICADO DIA: 24/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Após perseguição de alguns quilômetros e cerco, policiais militares interceptaram uma caminhonete Chevrolet S-10 branca furtada em Arapongas, no início da noite desta terça-feira (23). O veículo estava abarrotado de cigarro contrabandeado do Paraguai. O condutor foi preso.
A perseguição teve início nas imediações do campus do IFPR, na PR-323, quando o motorista desobedeceu ordem para parar, e perdurou até as imediações da Havan.

Segundo o condutor, o volume de cerca de quarenta caixas seria distribuído na região de Maringá.
A ocorrência foi encaminhada para a delegacia da Polícia Federal, em Guaíra.

(Obemdito)

Sucuri sobe em muro para cochilar e chama atenção de moradores

PUBLICADO DIA: 23/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Uma moradora de Guaíra teve uma surpresa ao encontrar uma cobra sucuri sobre o muro de sua residência. O animal foi visto na tarde de quinta-feira (11), nas proximidades da área urbana do município.
A moradora relatou que o réptil estava dormindo enrolado em uma bananeira. Após ser acordada por populares, a cobra desceu do muro e retornou ao seu habitat natural.

 


Nestes casos, quem faz a captura de animais é a Itaipu. No entanto, segundo a binacional, não houve acionamento das equipes.
Ainda de acordo com a Itaipu, o animal aparentava ser adulto, podendo medir de quatro a cinco metros.
Avistar animais silvestres na cidade não é incomum. Mesmo assim, a presença de uma cobra deste porte chamou a atenção.
(Fonte: Catve).

Menino de dez anos sobrevive após espeto de churrasco perfurar tórax e atravessar coração

PUBLICADO DIA: 23/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Um menino de dez anos conseguiu sobreviver mesmo depois de ter o tórax perfurado e coração transfixado acidentalmente por um espeto de churrasco em Toritama, no agreste de Pernambuco. Ele deixou neste domingo (21) a UTI do Hospital da Restauração, no Recife, mas segue internado na emergência pediátrica da unidade.
De acordo com as médicas que realizaram a cirurgia, Marivaldo José da Silva Júnior está fora de perigo. O acidente ocorreu na quinta-feira (18). Segundo relato de familiares ao hospital, o garoto estava brincando numa escada e, ao escorregar, caiu em cima de um tonel que era usado para guardar espetos.
As médicas Cláudia Albuquerque e Andrea Rolin, responsáveis pelo procedimento cirúrgico, informaram que a forma cilíndrica do espeto foi essencial para evitar uma hemorragia.

 
Ao ter o coração transfixado, houve uma contração do músculo cardíaco. Esse movimento natural do coração evitou o sangramento.
Segundo as duas cirurgiãs vasculares, se os familiares tivessem retirado o espeto, o menino não sobreviveria. Quando a criança chegou ao hospital, os médicos perceberam que o espeto vibrava com a respiração.
Logo após o acidente, ele foi encaminhado ao hospital municipal Nossa Senhora de Fátima, em Toritama, distante 170 quilômetros do Recife. A unidade de saúde que fez o atendimento inicial não é de alta complexidade.
O paciente foi encaminhado à capital pernambucana ainda com o espeto em seu corpo. “Não tenho dúvida de que esse menino foi abençoado. Teve uma união da equipe médica e também o dedinho de Deus”, afirmou a cirurgiã Cláudia.
Na manhã de domingo, Marivaldo fez um ecocardiograma e nenhuma lesão grande foi constatada no coração. O procedimento cirúrgico durou duas horas.
Os médicos suturaram o local atingido enquanto o espeto ia sendo retirado. Inicialmente, a equipe médica fez uma abertura lateral no tórax para observar exatamente a região perfurada.
Não há previsão de Marivaldo receber alta médica. Ele se encontra em observação na enfermaria do hospital.
A criança está sendo medicada com antibióticos para evitar infecções. Os familiares do garoto não quiseram dar entrevista.
(Diário do Nordeste)

Collor anuncia que é pré-candidato à Presidência da República

PUBLICADO DIA: 22/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

O senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) anunciou nesta sexta-feira (19) que pretende se candidatar novamente à Presidência da República nas eleições gerais deste ano.
“Digo a vocês que esse é um dos momentos mais importantes da minha vida pessoal. Hoje, a minha decisão está tomada: sou, sim, pré-candidato à Presidência da República”, afirmou o senador alagoano, que participou de um evento na cidade de Arapiraca com a prefeita Célia Rocha (PTB).


Apelidado de ‘caçador de marajás’, Collor venceu em 1989 a primeira eleição direta após a redemocratização do País, derrotando vários candidatos, entre eles Leonel Brizola (PDT), Ulysses Guimarães (PMDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com quem disputou o segundo turno. Ele comandou o País entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment, por suspeita de corrupção.

Jovem morre e três ficam feridos após carro bater na ponte na PR-492 em Rondon

PUBLICADO DIA: 22/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Uma jovem morreu e três pessoas ficaram feridas, após o carro que eles ocupavam, bater no Guard Rail da ponte, na PR-492, no trecho entre Rondon e Paraíso do Norte.

Um veículo GM/Ônix de cor branca, com placas de Paraíso do Norte, trafegava no sentido Rondon à Paraíso do Norte, quando aquaplanou e rodou na pista, batendo a traseira do veículo no Guard Rail da ponte e por pouco não cai no rio.
Uma mulher morreu no local e três foram socorridos pelas equipes do Samu de Cianorte e de Rondon e corpo de Bombeiros de Cianorte, com ferimentos moderados. A equipe do Helicóptero do Samu de Maringá chegou a ir no local, mas não houve necessidade de intervenção por parte do helicóptero.
Todos foram socorridos ao Hospital Santa Casa de Cianorte. O corpo da vítima fatal foi encaminhado ao IML de Umuarama, para os exames de necropsia. As vítimas são moradores de Paraíso do Norte e retornavam da cidade de Japurá.
A Polícia Rodoviária registrou a ocorrência para apurar as causas do acidente.
(No-ti-cia)

Bolsa Família repassa R$ 26 milhões à região

PUBLICADO DIA: 11/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Os 25 municípios da região receberam ano passado, juntos, R$ 26,3 milhões do programa Bolsa Família.
Só Campo Mourão ficou com R$ 6,3 milhões.
Depois vieram Goioerê, com R$ 2,3 milhões, e Ubiratã, com R$ 1,8 milhão.
O menor repasse foi para Rancho Alegre do Oeste, com R$ 224 mil.
Os dados são do Portal da Transparência do governo federal.

Repasse por município em 2017
Altamira do Paraná: R$ 416.649
Araruna: R$ 652.237,00
Barbosa Ferraz: R$ 892.069,00
Boa Esperança: R$ 436.210,00
Campina da Lagoa: R$ 1.040.399,00
Campo Mourão: R$ 6.383.347,00
Corumbataí do Sul: R$ 664.661,00
Engenheiro Beltrão: R$ 1.126.357,00
Farol: R$ 526.763,00
Fênix: R$ 352.709,00
Goioerê: R$ 2.359.813,00
Iretama: R$ 1.161.753,00
Janiópolis: R$ 481.147,00
Juranda: R$ 519.247,00
Luizina: R$ 825.561,00
Mamborê: R$ 1.222.426,00
Moreira Sales: R$ 1.240.874,00
Nova Cantu: R$ 1.404.524,00
Peabiru: R$ 762.752,00
Quarto Centenário: R$ 298.385,00
Quinta do Sol: R$ 368.077,00
Rancho Alegre do Oeste: R$ 224.280,00
Roncador: R$ 660.498,00
Terra Boa: R$ 475.556,00
Ubiratã: R$ 1.814.553,00

(Boca santa)

Janeiro terá superlua, lua azul e lua de sangue na mesma noite

PUBLICADO DIA: 10/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

A noite de 31 de janeiro terá um combo de fenômenos que não é visto há 150 anos: a lua azul, a superlua e a lua de sangue. As várias versões especiais do satélite acontecerão ao mesmo tempo, coisa rara, especialmente pela luz azul de sangue.
A lua azul não é considerada um evento astronômico (e a lua não fica azul). Tem, sim, a ver com a nossa forma de registrar o tempo. No calendário lunar, um mês (ou um ciclo lunar) dura 29,5 dias. O calendário gregoriano, que é o que estamos acostumados a usar, tem de 30 a 31 dias. Graças a essa diferença, de tempos em tempos temos duas luas cheias no mesmo mês. E a segunda lua cheia de um mesmo mês é chamada de lua azul – e a última apareceu em 2 de julho de 2015.


Já a superlua já tem uma explicação bem mais legal. Ela é uma lua proporcionalmente maior e mais brilhante do que estamos acostumados a ver no céu – o que aconteceu no dia 1º de janeiro, quando uma superlua fez a primeira aparição em 2018.
Para atingir esse ápice de tamanho, a lua precisa passar por dois fenômenos distintos ao mesmo tempo. Em primeiro lugar, precisa estar na fase cheia. Em segundo lugar, precisa estar mais próxima da terra que o normal.
Por último, a lua de sangue, que acontece durante um eclipse lunar total, no qual a posição da lua e a da terra se alinham de forma que o nosso planeta fica exatamente entre o satélite e o sol. Quando isso acontece, a lua perde a aparência branca e brilhante e ganha um tom avermelhado, que justifica o apelido.
No Brasil
Infelizmente, o combo completo não será visível no Brasil. Por aqui será possível ver a superlua e saber que ela é ‘azul’, porém, a lua de sangue não poderá ser visualizada.
Para quem quiser acompanhar todos os fenômenos, vários sites estão se organizando para transmitir ao vivo.

(Informações: Super Interessante)

Bombeiro pula em poço de treze metros para salvar a vida de filho de 4 anos

PUBLICADO DIA: 10/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Momentos de terror foram vividos na última quarta-feira (03) pela família do soldado Geovane do 1° Grupamento do Corpo de Bombeiros do Paraná. O que era pra ser um dia de descanso na chácara da família por pouco não se tornou pesadelo.


O soldado estava reunido com a irmã em uma chácara na zona rural de Mandirituba. O bombeiro estava dentro da residência quando seu cunhado estava do lado externo assando uma carne e percebeu que seu sobrinho, o pequeno Geovane de 4 anos, estava brincando próximo à um poço de água de 13 metros de profundidade. O tio ainda alertou para ele brincar mais próximo dele, mas a curiosidade do menino fez com que ele empurrasse a tampa que protegia o poço e no momento em que ele conseguiu abrir acabou sofrendo uma queda de aproximadamente 13 metros. O tio percebeu que o menino havia desaparecido e que havia caído no poço. O bombeiro correu da residência até o poço o que dá aproximadamente 50 metros e não pensou duas vezes, se atirou dentro do poço para salvar a vida do filho. O problema é que no momento em que o bombeiro pulou, sofreu uma descarga elétrica de 220 volts da bomba elétrica que puxa a água do poço, em seguida atingiu a água que estava a aproximadamente 4 metros o nível seu filho já havia afundado. O soldado então foi até o fundo e conseguiu puxar o filho até a superfície. Por um milagre o menino não se afogou. Em seguida os familiares conseguiram uma corda e lançaram para o pai e o filho. Geovane relatou que o maior problema era a flutuação já que havia 4 metros de água debaixo deles. Após alguns minutos ele utilizando a corda fez uma cadeirinha e amarrou o filho que foi resgatado. Em seguida o bombeiro fez vários nós na corda e escalou até fora do poço. Ele saiu com apenas alguns ferimentos. Já o menino sofreu apenas um pequeno corte na cabeça que resultou em dois pontos.
O soldado afirmou que no primeiro momento o instinto de pai falou mais alto do que o treinamento do bombeiro, fazendo-o pular instintivamente dentro do poço. Após cair na água entrou o treinamento do bombeiro e o preparo para que ele mantivesse a calma até que o menino pudesse ser tirado de corda dali. Ele relatou que a calma foi tanta que somente após o ocorrido o menino foi entender o que aconteceu. O menino chegou a ser encaminhado à um hospital mas foi liberado logo em seguida. O soldado ainda relatou que a família mora ali a mais de 30 anos nunca havia imaginado que pudesse acontecer nenhum tipo de acidente já que o poço vivia trancado com uma tampa de concreto, porém fina e não tão pesada. Essa tampa agora foi substituída por uma tampa Grossa e muito pesada o que dificulta o acesso ao motor para caso seja realizada alguma manutenção no local.

O pequeno Geovane de quatro anos disse que tem o sonho de ser bombeiro como o pai, para ajudar pessoas e salvar vidas.
João Carlos Frigério/Plantão 190

“Pai de Santo” estupra jovem de 20 anos durante suposto ritual

PUBLICADO DIA: 10/01/2018
POR: Portal Farol
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Um homem foi preso, ontem à noite, acusado de estupro. O crime teria ocorrido no Bairro Santa Felicidade, em Cascavel.
Informações divulgadas pela assessoria de imprensa da Polícia Civil dão conta de que o homem teria abusado sexualmente de uma jovem de 20 anos.
Segundo as informações da Polícia Civil, a vítima procurou a delegacia, alegando que conhece o autor do estupro e que ele a teria ‘dopado’.
A vítima relatou também que o homem se diz ‘pai de santo’ e teria lhe oferecido uma consulta para tirar um feitiço e, por isso, ela precisava ingerir bebidas alcoólicas, tomando uns comprimidos azuis que a levou a desmaiar. Quando acordou, já estava sendo estuprada.


Uma equipe do GDE – Grupo de Diligências Especiais de Cascavel, se deslocou até a residência do acusado, no Bairro Santa Felicidade, onde manteve contato com vizinhos que confirmaram terem presenciado uma moça saindo da residência aos prantos, e logo em seguida o acusado se evadindo de bicicleta do local.
A residência do acusado estava com as portas abertas, sendo possível constatar garrafas de bebidas alcoólica vazias no local, bem como presença de velas, típicas para uso em rituais religiosos.
A equipe policial desenvolveu diligências no bairro, em bares e afins, mas não logrou êxito em encontrar o acusado, tendo permanecido em campana nas imediações da residência dele, e por volta das 23h30min, o acusado retornou para casa, quando foi abordado.
Diante dos fatos, foi dado voz de prisão à J.N.S., 53 anos de idade, sendo o mesmo conduzido para a 15ª SDP, onde foi interrogado, quando alegou que a vitima que o procurou para manterem relações sexuais, sendo ela inclusive quem teria levado as bebidas alcoólica para ingerirem, negando dado comprimidos ou “dopado” a mesma.
J.S.N. já tem passagens pela polícia acusado da prática de estupros, sendo que em dois dos casos consta como absolvido, ameaça e furto, deste último delito tendo sido condenado a 3 anos e 2 meses de reclusão, em fatos de 2016.
Diante dos fatos constatados e alegações da vítima, o acusado foi autuado por estupro de vulnerável, sendo recolhido no Setor de Carceragem da 15ª SDP onde permanece à disposição da Justiça.

Foto: Polícia Civil
Fonte: CGN

Página 1 de 20812345...102030...Última »
PUBLICIDADE
© COPYRIGHT 2015 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - Portal Farol